Para a pecuária ser lucrativa, boi deve ganhar ao menos 10 g a cada R$ 1 investido na fazenda

06 dezembro 2018
relacao-custo-ganho-de-peso-fazenda-gado-de-corte

Você sabe como calcular os custos da sua fazenda e sua margem de lucro? Ter estas respostas na ponta do lápis pode ser a diferença entre gerir uma fazenda lucrativa ou ser forçado pelo mercado a abandonar a atividade. Nesta quinta, 06, o zootecnista e consultor Antônio Chaker, diretor do Inttegra, o Instituto Terra da Métricas Agropecuária, repassou dicas aos pecuaristas que querem avançar nas técnicas de gestão aplicadas à propriedade.

“Entender que custo de produção nunca é apenas o seu gasto, é uma relação entre o que eu gasto e o que eu produzo. Ou seja, para eu tornar meu custo de produção mais competitivo e trazer margem, não adianta eu mexer só numa parte da conta, eu tenho que mexer na produção”, disse Chaker, introduzindo o assunto.

De acordo com o consultor. são quatro os tipos de custos de uma fazenda de gado de corte: custos fixos, variáveis, investimentos incidentes e investimentos não incidentes. “Ele (o pecuarista) precisa colocar mais dinheiro em custos variáveis, como nutrição e sanidade, e assim por diante, e investimentos incidentes sobre a produção. Então não adianta a fazenda querer economizar nestes dois quesitos. Ela precisa economizar nos custos fixos, que são aqueles que se você precisar aumentar a sua produção, não aumentam”, recomendou.

De acordo com o zootecnista, uma referência para o pecuarista entender se seu custo está sendo bem direcionado é fazer a relação com o que está sendo produzido. “Para cada R$ 1 que a fazenda gasta com cabeça por mês, é importante que animal ganhe pelo menos 10 gramas”, enfatizou.

Para os produtores que estão começando o ciclo de gerenciamento mais avançado de sua fazenda, Chaker resumiu em três passos o que precisa ser feito:

1 – Anotar despesas;
2 – Monitorar a produção: acompanhamento trimestral do ganho de peso em fazendas de engorda e, em propriedade de ciclo completo, acompanhamento da produção trimestral de arrobas;
3 – Dividindo um pelo outro, ele deve obter margem superior a 30%.

Veja as dicas completas do consultor Antônio Chaker no vídeo abaixo:

Imagem: Reprodução / Facebook Inttegra

VEJA TAMBÉM

Como escolher o melhor ionóforo para suplementar meu gado?

Telespectador de Teixeira de Freitas-BA enviou dúvida sobre a escolha do melhor tipo do aditivo para gado que está estritamente em dieta de pasto

Produtor indica como eliminar plantas daninhas no consórcio do pasto com Teca

Preocupação era usar produtos que pudessem prejudicar o desenvolvimento da espécie florestal, mas nova geração de defensivos solucionou o problema

Confira as fazendas em destaque do dia 11 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

A próxima fronteira para o Nelore

Melhoramento genético do Nelore começa a colocar a raça em evidência no mercado da carne de qualidade e pode impulsionar pecuária brasileira

Para a pecuária ser lucrativa, boi deve ganhar ao menos 10 g a cada R$ 1 investido na fazenda

06 dezembro 2018
relacao-custo-ganho-de-peso-fazenda-gado-de-corte

Você sabe como calcular os custos da sua fazenda e sua margem de lucro? Ter estas respostas na ponta do lápis pode ser a diferença entre gerir uma fazenda lucrativa ou ser forçado pelo mercado a abandonar a atividade. Nesta quinta, 06, o zootecnista e consultor Antônio Chaker, diretor do Inttegra, o Instituto Terra da Métricas Agropecuária, repassou dicas aos pecuaristas que querem avançar nas técnicas de gestão aplicadas à propriedade.

“Entender que custo de produção nunca é apenas o seu gasto, é uma relação entre o que eu gasto e o que eu produzo. Ou seja, para eu tornar meu custo de produção mais competitivo e trazer margem, não adianta eu mexer só numa parte da conta, eu tenho que mexer na produção”, disse Chaker, introduzindo o assunto.

De acordo com o consultor. são quatro os tipos de custos de uma fazenda de gado de corte: custos fixos, variáveis, investimentos incidentes e investimentos não incidentes. “Ele (o pecuarista) precisa colocar mais dinheiro em custos variáveis, como nutrição e sanidade, e assim por diante, e investimentos incidentes sobre a produção. Então não adianta a fazenda querer economizar nestes dois quesitos. Ela precisa economizar nos custos fixos, que são aqueles que se você precisar aumentar a sua produção, não aumentam”, recomendou.

De acordo com o zootecnista, uma referência para o pecuarista entender se seu custo está sendo bem direcionado é fazer a relação com o que está sendo produzido. “Para cada R$ 1 que a fazenda gasta com cabeça por mês, é importante que animal ganhe pelo menos 10 gramas”, enfatizou.

Para os produtores que estão começando o ciclo de gerenciamento mais avançado de sua fazenda, Chaker resumiu em três passos o que precisa ser feito:

1 – Anotar despesas;
2 – Monitorar a produção: acompanhamento trimestral do ganho de peso em fazendas de engorda e, em propriedade de ciclo completo, acompanhamento da produção trimestral de arrobas;
3 – Dividindo um pelo outro, ele deve obter margem superior a 30%.

Veja as dicas completas do consultor Antônio Chaker no vídeo abaixo:

Imagem: Reprodução / Facebook Inttegra

VEJA TAMBÉM

Telespectador de Teixeira de Freitas-BA enviou dúvida sobre a escolha do melhor tipo do aditivo para gado que está estritamente em dieta de pasto

Preocupação era usar produtos que pudessem prejudicar o desenvolvimento da espécie florestal, mas nova geração de defensivos solucionou o problema

Fazendas localizadas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Melhoramento genético do Nelore começa a colocar a raça em evidência no mercado da carne de qualidade e pode impulsionar pecuária brasileira

Circuito Nelore apontou que, ao mesmo tempo que a idade média de abate foi reduzida, peso médio das carcaças saiu de 17@ em 1999 para 21@ neste ano

Especialista aponta características que estão sendo perseguidas pelos programas de seleção genética e quais as novidades na busca pelo reprodutor moderno

Preocupação era usar produtos que pudessem prejudicar o desenvolvimento da espécie florestal, mas nova geração de defensivos solucionou o problema

Melhoramento genético do Nelore começa a colocar a raça em evidência no mercado da carne de qualidade e pode impulsionar pecuária brasileira

Com transformação de MP em lei federal, produtor tem novo prazo e novas normas para informar intenção de aderir ao PRA

Circuito Nelore apontou que, ao mesmo tempo que a idade média de abate foi reduzida, peso médio das carcaças saiu de 17@ em 1999 para 21@ neste ano

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE