Pecuaristas do Tocantins aprovam novo defensivo que controla plantas daninhas lenhosas e semilenhosas

10 setembro 2018
controle-foliar-plantas-lenhosas-semilenhosas

Nesta segunda, 10, o Giro do Boi levou ao ar uma edição especial de lançamento de uma tecnologia que irá ajudar os pecuaristas no combate das chamadas “pragas duras”, como são popularmente conhecidas as plantas daninhas lenhosas e semilenhosas.

Em um dos blocos dos especial, foram ao ar entrevistas feitas com dois produtores do estado do Tocantins, o pecuarista Ricardo José de Andrade, da Fazenda Vale do Boi, de Carmolândia-TO, e o pecuarista Wagner Martins Borges, da Fazenda Nova Guia, em Araguanã-TO, que também tem propriedade na região de Ananás-TO.

Veja outros conteúdos do especial do Giro do Boi sobre o lançamento da tecnologia XT:

+ Roçadas são principal ferramenta de controle de plantas daninhas em 22% das áreas de pastagens

Produção de capim aumenta em mais de quatro vezes com uso de novo defensivo

“Nós somos preocupados em trabalhar com produtividade, e produtividade passa por combater eventuais problemas e pragas que existem na propriedade. As plantas daninhas, principalmente de folhas largas, são um problema para a região. Ao longo do tempo a gente vem utilizando produtos que nos auxiliam a isso e a chegada de novas tecnologias vem ao encontro daquilo que a gente que precisa. O produto certo para tratar da praga que a gente quer combater”, afirmou Ricardo. “Hoje com essa tecnologia, de um produto que combate mais as pragas lenhosas, aí seria a cereja do bolo, porque elas são aquelas que tinham um combate com maior dificuldade, e hoje passamos a ter mais facilidade. Então esses novos produtos vêm ajudar a gente sensivelmente no trabalho do dia a dia da fazenda”, ressaltou.

Ricardo também destacou a sustentabilidade do produto, classificado como “faixa verde” pela Anvisa, (Agência Nacional de Vigilância Sanitária): das quatro faixas de classificação estabelecidas pela agência para produtos da categoria, a nova linha foi enquadrada no menor nível de impactos para os aplicadores e para o meio ambiente. “É tudo aquilo que a gente procura. Produtos que tragam benefício, uma melhoria da produtividade, sem agressão, porque hoje é a pauta, proteger o meio ambiente, e nossa preocupação também é não atrapalhar os nossos colaboradores. Isso faz parte do contexto, pensar em aumento de produtividade, que passa pela utilização das novas tecnologias, correção de solo, adubação, preocupação com os animais, com o meio ambiente, manejo racional, tudo isso é fundamental para ter uma pecuária lucrativa, competitiva. É tudo aquilo que meu pai sempre almejou, trabalhou e nós fazemos isso na Fazenda Vale do Boi”, disse o pecuarista em referência ao seu pai, Epaminondas de Andrade.

Já Wagner Borges destacou o problema da competição das pastagens com as plantas daninhas. “A infestação das pragas daninhas é um problema sério, porque tem a competição com o capim. Quanto mais pragas daninhas, menos produtividade, que reflete em menos lucratividade. Para a gente é menos ganho de peso, menos lotação da pastagem. Isso é realmente um problema sério para a pastagem. E nossa região é mesmo propícia para o desenvolvimento de plantas daninhas, tem a questão da umidade, do tempo, é muito úmido e quente”, salientou.

Wagner listou ainda as plantas daninhas que mais infestam as suas pastagens. “Além das pragas moles, ainda tem as de folhas lisas, folhas largas, que são um problema sério. A gente não tinha ainda um produto específico para combater os cipós, as pragas mais duras. E agora com esse novo produto a gente tem esperança de ter um bom combate para estas pragas”, admitiu.

Veja as entrevistas completas clicando no player:

VEJA TAMBÉM

Trabalho integrado ameniza dificuldades com embarque do gado gordo entre Juara e Juína

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Áreas de instabilidade levam chuva para fronteira do RS com SC no fim de semana

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Seis cadastros obrigatórios para o produtor rural garantir sua segurança jurídica

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Já saiu o resultado da votação para o melhor lote de janeiro; conheça o vencedor

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuaristas do Tocantins aprovam novo defensivo que controla plantas daninhas lenhosas e semilenhosas

10 setembro 2018
controle-foliar-plantas-lenhosas-semilenhosas

Nesta segunda, 10, o Giro do Boi levou ao ar uma edição especial de lançamento de uma tecnologia que irá ajudar os pecuaristas no combate das chamadas “pragas duras”, como são popularmente conhecidas as plantas daninhas lenhosas e semilenhosas.

Em um dos blocos dos especial, foram ao ar entrevistas feitas com dois produtores do estado do Tocantins, o pecuarista Ricardo José de Andrade, da Fazenda Vale do Boi, de Carmolândia-TO, e o pecuarista Wagner Martins Borges, da Fazenda Nova Guia, em Araguanã-TO, que também tem propriedade na região de Ananás-TO.

Veja outros conteúdos do especial do Giro do Boi sobre o lançamento da tecnologia XT:

+ Roçadas são principal ferramenta de controle de plantas daninhas em 22% das áreas de pastagens

Produção de capim aumenta em mais de quatro vezes com uso de novo defensivo

“Nós somos preocupados em trabalhar com produtividade, e produtividade passa por combater eventuais problemas e pragas que existem na propriedade. As plantas daninhas, principalmente de folhas largas, são um problema para a região. Ao longo do tempo a gente vem utilizando produtos que nos auxiliam a isso e a chegada de novas tecnologias vem ao encontro daquilo que a gente que precisa. O produto certo para tratar da praga que a gente quer combater”, afirmou Ricardo. “Hoje com essa tecnologia, de um produto que combate mais as pragas lenhosas, aí seria a cereja do bolo, porque elas são aquelas que tinham um combate com maior dificuldade, e hoje passamos a ter mais facilidade. Então esses novos produtos vêm ajudar a gente sensivelmente no trabalho do dia a dia da fazenda”, ressaltou.

Ricardo também destacou a sustentabilidade do produto, classificado como “faixa verde” pela Anvisa, (Agência Nacional de Vigilância Sanitária): das quatro faixas de classificação estabelecidas pela agência para produtos da categoria, a nova linha foi enquadrada no menor nível de impactos para os aplicadores e para o meio ambiente. “É tudo aquilo que a gente procura. Produtos que tragam benefício, uma melhoria da produtividade, sem agressão, porque hoje é a pauta, proteger o meio ambiente, e nossa preocupação também é não atrapalhar os nossos colaboradores. Isso faz parte do contexto, pensar em aumento de produtividade, que passa pela utilização das novas tecnologias, correção de solo, adubação, preocupação com os animais, com o meio ambiente, manejo racional, tudo isso é fundamental para ter uma pecuária lucrativa, competitiva. É tudo aquilo que meu pai sempre almejou, trabalhou e nós fazemos isso na Fazenda Vale do Boi”, disse o pecuarista em referência ao seu pai, Epaminondas de Andrade.

Já Wagner Borges destacou o problema da competição das pastagens com as plantas daninhas. “A infestação das pragas daninhas é um problema sério, porque tem a competição com o capim. Quanto mais pragas daninhas, menos produtividade, que reflete em menos lucratividade. Para a gente é menos ganho de peso, menos lotação da pastagem. Isso é realmente um problema sério para a pastagem. E nossa região é mesmo propícia para o desenvolvimento de plantas daninhas, tem a questão da umidade, do tempo, é muito úmido e quente”, salientou.

Wagner listou ainda as plantas daninhas que mais infestam as suas pastagens. “Além das pragas moles, ainda tem as de folhas lisas, folhas largas, que são um problema sério. A gente não tinha ainda um produto específico para combater os cipós, as pragas mais duras. E agora com esse novo produto a gente tem esperança de ter um bom combate para estas pragas”, admitiu.

Veja as entrevistas completas clicando no player:

VEJA TAMBÉM

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Gestão de cadastros de propriedades rurais evita problemas em situações como transações imobiliárias, bancárias, ambientais e também possíveis sanções de órgãos do governo

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Fazendas nos estados de Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Teste foi feito em área com lotação média de 10 UA/ha ao longo de dois anos; conclusão é de que não há interferência na fertilidade do solo que prejudique a produção de grãos

Previsão é que precipitações se desloquem nos próximos dias para o Norte de SP e MG, chegando ao Semiárido e Centro-Oeste

Embora as chuvas prejudiquem as condições das estradas de terra, união de esforços entres unidades da indústria diminui problemas com o transporte

Lote de novilhas meio-sangue para o Protocolo 1953 pesou 18,4@ por animal em média e marcou 100% Verde no Farol da Qualidade

Pecuarista deve fazer download do Termo de Adesão e entregar assinado aos compradores de gado das unidades da indústria; veja como tirar suas dúvidas sobre o processo

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE