Que punições o produtor pode sofrer por queimadas em sua fazenda e como evitar as sanções?

01 outubro 2019
foco-de-incendio-mato-grosso-colider

No quadro Direito Agrário que foi ao ar nesta terça, 1º, o advogado, professor de pós-graduação de direito agrário e ambiental, consultor jurídico e sócio-diretor da P&M Consultoria Jurídica, Pedro Puttini Mendes, explicou as consequências que o produtor rural pode sofrer caso faça queimada não autorizada nas áreas em que é titular.

O especialista alertou que os proprietários estão sujeitos a até três tipos de punição: a administrativa, que são multas e embargos, responsabilidades cíveis e criminais. “Havendo um incêndio, o produtor pode acabar recebendo penalizações pelo fogo dentro de sua própria fazenda porque, a depender do que houve, das provas, dos acontecidos, incidem uma ou mais responsabilidades”, introduziu o advogado.

“Tanto na responsabilidade administrativa, como a multa, etc, quanto na criminal, o produtor pode provar que ele não deu causa ao incêndio. Pode ter acontecido naturalmente, por questões absolutamente naturais do período de estiagem, ou pode acontecer também por descuido ou ação de terceiros. Desta forma, a depender do que for comprovado, da situação, o produtor pode se livrar de uma responsabilidade que nós chamamos de subjetiva, que se aplica às infrações e à questão criminal, ele vai deixar de ser multado ou criminalizado”, explicou.

Esta comprovação de ausência de culpa, esclareceu Puttini, pode ser feita por meio de boletim de ocorrência, laudos de autoridades competentes, fotografias e depoimentos de testemunhas e demais documentos que possam contribuir para a situação.

O especialista informou que, todavia, não há como o produtor evitar a responsabilidade na área cível pela recomposição da área que foi danificada em sua fazenda, já que isto independe de culpa. Neste caso, proprietário em conjunto com demais responsáveis, caso haja, como parceiros, arrendatários ou terceiros, deverão reparar os anos por meio de ações que recuperem a natureza ao estado que se encontrava anteriormente ao incêndio adotando boas práticas.

Confira o quadro Direito Agrário na íntegra clicando no vídeo a seguir:

Mais informações sobre o tema e sugestões podem ser solicitadas pelo e-mail contato@pmadvocacia.com.

VEJA TAMBÉM

Telespectador registra “despertar” da fauna pantaneira após as chuvas sobre a região

Após 23 dias de queimadas que destruíram mais de 170 mil hectares, a chuva voltou a incidir sobre a região e alegrou os animais; pantaneiro registrou sons em vídeo

Confira as fazendas em destaque do dia 11 de novembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Como o confinamento aproxima a pecuária do nível de gestão da agricultura?

Além de acelerar o giro do boi e padronizar carcaças produzindo carne de qualidade superior, pecuarista tem série de benefícios na administração do negócio

Genoma do Nelore aponta características para qualidade de carne

Estudo de genômica conduzido na Embrapa Pecuária Sudeste confirmou que herdabilidade das características torna possível o melhoramento por seleção

Que punições o produtor pode sofrer por queimadas em sua fazenda e como evitar as sanções?

01 outubro 2019
foco-de-incendio-mato-grosso-colider

No quadro Direito Agrário que foi ao ar nesta terça, 1º, o advogado, professor de pós-graduação de direito agrário e ambiental, consultor jurídico e sócio-diretor da P&M Consultoria Jurídica, Pedro Puttini Mendes, explicou as consequências que o produtor rural pode sofrer caso faça queimada não autorizada nas áreas em que é titular.

O especialista alertou que os proprietários estão sujeitos a até três tipos de punição: a administrativa, que são multas e embargos, responsabilidades cíveis e criminais. “Havendo um incêndio, o produtor pode acabar recebendo penalizações pelo fogo dentro de sua própria fazenda porque, a depender do que houve, das provas, dos acontecidos, incidem uma ou mais responsabilidades”, introduziu o advogado.

“Tanto na responsabilidade administrativa, como a multa, etc, quanto na criminal, o produtor pode provar que ele não deu causa ao incêndio. Pode ter acontecido naturalmente, por questões absolutamente naturais do período de estiagem, ou pode acontecer também por descuido ou ação de terceiros. Desta forma, a depender do que for comprovado, da situação, o produtor pode se livrar de uma responsabilidade que nós chamamos de subjetiva, que se aplica às infrações e à questão criminal, ele vai deixar de ser multado ou criminalizado”, explicou.

Esta comprovação de ausência de culpa, esclareceu Puttini, pode ser feita por meio de boletim de ocorrência, laudos de autoridades competentes, fotografias e depoimentos de testemunhas e demais documentos que possam contribuir para a situação.

O especialista informou que, todavia, não há como o produtor evitar a responsabilidade na área cível pela recomposição da área que foi danificada em sua fazenda, já que isto independe de culpa. Neste caso, proprietário em conjunto com demais responsáveis, caso haja, como parceiros, arrendatários ou terceiros, deverão reparar os anos por meio de ações que recuperem a natureza ao estado que se encontrava anteriormente ao incêndio adotando boas práticas.

Confira o quadro Direito Agrário na íntegra clicando no vídeo a seguir:

Mais informações sobre o tema e sugestões podem ser solicitadas pelo e-mail contato@pmadvocacia.com.

VEJA TAMBÉM

Após 23 dias de queimadas que destruíram mais de 170 mil hectares, a chuva voltou a incidir sobre a região e alegrou os animais; pantaneiro registrou sons em vídeo

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Além de acelerar o giro do boi e padronizar carcaças produzindo carne de qualidade superior, pecuarista tem série de benefícios na administração do negócio

Estudo de genômica conduzido na Embrapa Pecuária Sudeste confirmou que herdabilidade das características torna possível o melhoramento por seleção

Regiões entre MG e BA a fronteira do Matopiba ainda sofrem com estiagem, mas cenário deverá mudar a partia da 2ª quinzena de novembro

Fazendas localizadas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira o lote e Farol da Qualidade.

Conheça e se inspire na trajetória da pecuarista Carmen Perez, responsável pela gestão da Agropecuária Orvalho das Flores, em Barra do Garças-MT

Produtor obtém benefício ao sincronizar transporte do gado magro e do gado gordo entre propriedades distintas. “Pecuária tem que ser tocada como uma empresa”, destacou

Em fazenda de Novo Horizonte d’Oeste-RO, fêmeas precoces já expressam tranquilidade em meio à cura do umbigo e identificação de seus filhos no pasto maternidade

Veterinário lista tudo o que o pecuarista precisa saber sobre maquinário utilizado, montagem de galpões, divisões de piquetes e fatores limitantes para a produtividade do sistema

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE