Sabe o cachorro que te acompanha no curral? Ele pode estar atrapalhando o desempenho do seu gado

24 julho 2018

Você sabe quais são os impactos das práticas de bem-estar na taxa de prenhez depois da estação de monta? O Giro do Boi desta terça, 24, levou o tema para discussão em entrevista concedida pelo médico veterinário William Delacqua, consultor em reprodução animal, ao repórter José Neto.

O especialista afirmou que a primeira condição para o sucesso da estação reprodutiva é que as fêmeas que vão passar pelos processo de inseminação artificial estejam calmas ao longo de todo o processo. “O pecuarista já investe um valor considerável em sêmen, produtos, qualificação, mão de obra e, muitas vezes, uma ferramenta que está na mão, que não custa nada, apenas conhecimento e treinamento, pode agregar e muito em termos de resultados, que é a forma com que esse gado pode ser conduzido até o curral. […] Tem detalhes que parece que podemos ignorar em alguns momentos, mas que podem agregar muito em termos de resultado e lucratividade”, destacou Delacqua.

Clique para curtir a página do Giro do Boi no Facebook

O veterinário acrescentou que é importante que as fêmeas não encontrem um ambiente adverso na comparação com que elas têm no dia a dia em seus piquetes. Um curral limpo, sem objetos estranhos e diferentes que chamem a atenção das matrizes é altamente desejável para o manejo. Além disso, uma situação que ocorre com frequência nas fazendas pelo Brasil pode atrapalhar a estação de monta: o melhor amigo do homem, o cachorro companheiro, não é necessariamente o melhor amigo das vacas. Quando estão presenciando o manejo reprodutivo, os animais podem ficar agitados e chamar atenção das fêmeas, o que pode estressá-las e provocar quedas na taxa de prenhez. Durante sua passagem pelo Brasil, a própria dra. Temple Grandin, uma das maiores referências mundiais em bem-estar animal, esclareceu que os cães podem atrapalhar manejos em currais.

+ Temple Grandin afirma que bovinos, que são presas, escondem mais a dor do que os cachorros, que são predadores; confira a entrevista exclusiva completa

Tecnicamente falando, o fator que causa tais prejuízos nos índices produtivos e reprodutivos é o cortisol, conhecido como o hormônio do estresse. Em manejos mais delicados, como o da reprodução, seus efeitos são extremamente negativos, acrescentou Delacqua.

+ Vacina mal aplicada e até cachorro podem contaminar ser humano com brucelose

Outro fator importante para o sucesso da estação de monta é o pós-inseminação. Depois de encerrar os trabalhos no curral, o veterinário afirmou que caminhar com o lote por longas distâncias pode aumentar a carga de estresse e a temperatura corporal nas fêmeas, o que pode fazer com que a dose de sêmen utilizada seja inutilizada. Por isso, conforme a possibilidade, é importante reservar um piquete próximo ao curral para descanso das matrizes para que elas sejam naturalmente acomodadas antes de voltar aos piquetes de origem.

No vídeo abaixo estão as dicas completas de boas práticas de manejo na estação de monta. Clique no player:

VEJA TAMBÉM

Todo imóvel rural precisa ter uma área de reserva legal?

No quadro Direito Agrário desta terça-feira, 17, o advogado Pedro Puttini Mendes, especialista em direito ambiental, falou sobre uma dúvida frequente e recorrente do produtor

O que é verdadeiro e o que é fake news na hora de escolher um touro?

Com a chegada da temporada de leilões de touros no Brasil, as ofertas e opções são inúmeras. Mas será que tudo que se diz é verdade? Será que o reprodutor que cobrir a vacada vai resultar em bons bezerros para o criador?

Confira as fazendas em destaque do dia 17 de setembro de 2019

Originadores apresentaram lotes dos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Confira as participações.

Unidade de Marabá-PA recebe mais uma etapa do Circuito Nelore de Qualidade 2019

O abate técnico reuniu cerca de 946 cabeças de 16 pecuaristas do estado. Os produtores irão concorrer para melhores lotes nas categorias machos e fêmeas,o resultado será divulgado ainda nesta semana.

Sabe o cachorro que te acompanha no curral? Ele pode estar atrapalhando o desempenho do seu gado

24 julho 2018

Você sabe quais são os impactos das práticas de bem-estar na taxa de prenhez depois da estação de monta? O Giro do Boi desta terça, 24, levou o tema para discussão em entrevista concedida pelo médico veterinário William Delacqua, consultor em reprodução animal, ao repórter José Neto.

O especialista afirmou que a primeira condição para o sucesso da estação reprodutiva é que as fêmeas que vão passar pelos processo de inseminação artificial estejam calmas ao longo de todo o processo. “O pecuarista já investe um valor considerável em sêmen, produtos, qualificação, mão de obra e, muitas vezes, uma ferramenta que está na mão, que não custa nada, apenas conhecimento e treinamento, pode agregar e muito em termos de resultados, que é a forma com que esse gado pode ser conduzido até o curral. […] Tem detalhes que parece que podemos ignorar em alguns momentos, mas que podem agregar muito em termos de resultado e lucratividade”, destacou Delacqua.

Clique para curtir a página do Giro do Boi no Facebook

O veterinário acrescentou que é importante que as fêmeas não encontrem um ambiente adverso na comparação com que elas têm no dia a dia em seus piquetes. Um curral limpo, sem objetos estranhos e diferentes que chamem a atenção das matrizes é altamente desejável para o manejo. Além disso, uma situação que ocorre com frequência nas fazendas pelo Brasil pode atrapalhar a estação de monta: o melhor amigo do homem, o cachorro companheiro, não é necessariamente o melhor amigo das vacas. Quando estão presenciando o manejo reprodutivo, os animais podem ficar agitados e chamar atenção das fêmeas, o que pode estressá-las e provocar quedas na taxa de prenhez. Durante sua passagem pelo Brasil, a própria dra. Temple Grandin, uma das maiores referências mundiais em bem-estar animal, esclareceu que os cães podem atrapalhar manejos em currais.

+ Temple Grandin afirma que bovinos, que são presas, escondem mais a dor do que os cachorros, que são predadores; confira a entrevista exclusiva completa

Tecnicamente falando, o fator que causa tais prejuízos nos índices produtivos e reprodutivos é o cortisol, conhecido como o hormônio do estresse. Em manejos mais delicados, como o da reprodução, seus efeitos são extremamente negativos, acrescentou Delacqua.

+ Vacina mal aplicada e até cachorro podem contaminar ser humano com brucelose

Outro fator importante para o sucesso da estação de monta é o pós-inseminação. Depois de encerrar os trabalhos no curral, o veterinário afirmou que caminhar com o lote por longas distâncias pode aumentar a carga de estresse e a temperatura corporal nas fêmeas, o que pode fazer com que a dose de sêmen utilizada seja inutilizada. Por isso, conforme a possibilidade, é importante reservar um piquete próximo ao curral para descanso das matrizes para que elas sejam naturalmente acomodadas antes de voltar aos piquetes de origem.

No vídeo abaixo estão as dicas completas de boas práticas de manejo na estação de monta. Clique no player:

VEJA TAMBÉM

No quadro Direito Agrário desta terça-feira, 17, o advogado Pedro Puttini Mendes, especialista em direito ambiental, falou sobre uma dúvida frequente e recorrente do produtor

Com a chegada da temporada de leilões de touros no Brasil, as ofertas e opções são inúmeras. Mas será que tudo que se diz é verdade? Será que o reprodutor que cobrir a vacada vai resultar em bons bezerros para o criador?

Originadores apresentaram lotes dos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Confira as participações.

O abate técnico reuniu cerca de 946 cabeças de 16 pecuaristas do estado. Os produtores irão concorrer para melhores lotes nas categorias machos e fêmeas,o resultado será divulgado ainda nesta semana.

Ao completar 35 anos de existência, o Programa de Melhoramento Genético, começa a ganhar as regiões de pecuária do Brasil. Dessa vez, a capital do Acre, Rio Branco, vai receber nesta semana (18 e 19/09) uma “bateria” de palestras e dinâmicas sobre a importância da genética de ponta para o aumento de produtividade das fazendas.

A maior expedição técnica privada sobre a pecuária de corte no Brasil, apontou ainda crescimento de 25% na produtividade dos amostrados, totalizando 310 propriedades visitadas de 10 estados e 128 municípios. As sete equipes que saíram a campo percorreram 50 mil quilômetros nesta edição do Rally.

No quadro Direito Agrário desta terça-feira, 17, o advogado Pedro Puttini Mendes, especialista em direito ambiental, falou sobre uma dúvida frequente e recorrente do produtor

O Instituto Nacional de Meteorologia, INMET, trouxe uma boa notícia para a agropecuária das regiões Sudeste, Centro-Oeste e Norte do país. Embora não seja de forte intensidade, a partir do dia 20 de setembro, estados como São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia receberão...

Fazenda Figueira, do município de Paranapanema, interior do estado de São Paulo, foi um dos destaques desta sexta-feira, no Giro do Boi, onde os originadores apresentam os bons modelos de produção e os valores da @ em cada unidade que participa do quadro Giro pelo Brasil.

Originadores apresentaram lotes dos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Confira as participações.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE