Com operação especial de logística, pecuarista economiza 50% no custo do frete

08 novembro 2019
economia-50-porcentro-frete-viagem-tres-pernas

Antes de Intensificar a produção, intensifique a gestão, aconselhou recentemente em participação no Giro do Boi o consultor Antônio Chaker. E de fato está cada vez mais evidente o impacto positivo que a gestão empresarial traz para a pecuária de corte. Um destes bons exemplos foi destaque do quadro Giro na Estrada, exibido no programa desta sexta, dia 08, em entrevista com o pecuarista Júnior Sidoni, titular da Fazenda JS, localizada em Coxim, no Mato Grosso do Sul. O pecuarista contou como conseguiu uma economia de 50% de seu custo total com frete ao focar nas operações do transporte boiadeiro e no desenho de uma estratégia de logística customizada para as suas necessidades.

“Eu acredito que a logística hoje é fundamental para tudo, para baixar custo, porque a nossa atividade é bem apertada em relação à margem de lucro”, apontou o produtor. Sidoni explicou que possui propriedades próprias e arrendamentos tanto na serra quanto no Pantanal no MS, que estão basicamente distribuídas em uma linha de pouco mais de 100 km. “Então eu consigo fazer o manejo de criar e recriar no Pantanal e trazer o gado para fazer o acabamento aqui. Então eu sempre entro em contato com a empresa, uma semana, dez dias antes, para tentar equalizar a viagem para buscar o meu gado gordo e conseguir pegar gado magro de reposição que vem lá de baixo. Acredito que fique bom para a empresa e pra mim, que consigo minimizar meu custo de transporte no mínimo em 50%”, revelou.

Junior Sidoni afirmou que o planejamento é essencial para que a operação da “viagem de três pernas” funcione sem atrasos indesejáveis tanto para a fazenda quanto para a transportadora. “Vale lembrar que precisa ser tudo bem programadinho porque meu gado do Pantanal demora um dia para chegar no ponto de embarque e eu não posso falhar para não atrapalhar o embarque do gordo, que é prioridade. […] Eu faço isso já há três ou quatro anos com a JBS e graças a Deus os motoristas são 100% (pontuais), o pessoal é bem organizado e não teve nenhum problema de eles voltarem nem um dia com carreta vazia”, valorizou. “A gente fala que hoje a pecuária tem que ser tocada como uma empresa, então é tudo na programação”, destacou.

Junior Sidoni inclusive fez as contas de quanto a economia com frete por cabeça pode reduzir o custo da engorda dos animais. “Qualquer mexida que você faz hoje custa R$ 20 a R$ 30 por cabeça. Hoje um valor deste você paga um arredamento quase 40 dias de pasto para um animal, então se você economizar 50% disto, você tem 20 dias de pasto gratuito, concorda?”, calculou.

“Tem vantagens para ambos os lados. O pecuarista economiza frete, porque sempre a gente faz esse frete casado no gado magro com gado gordo. Dessa forma ele vai pagar uma perna, que é só do local do embarque ao desembarque e nós, como transportadora, a gente também otimiza a perna que iria vazia”, detalhou a analista de transporte da unidade de Campo Grande da JBS Transportadora, Fabiana Marchini.

Fabiana informou como os produtores interessantes em serviços similares podem acessá-los. “Ele pode entrar em contato com a unidade mais próxima da fazenda dele ou onde ele costuma abater e procurar o analista de transporte, ou o supervisor, e nós vamos fazer esta análise. Eu verifico a escala do gado gordo, o que tem na região para transportar, ou se é o próprio gado dele”, indicou a analista.

Além da vocação para os negócios, Júnior Sidoni mencionou outro fator determinante para os resultados positivos. “Eu acredito que 90% do êxito meu na profissão é o amor que eu tenho por ela. Eu acordo e durmo feliz por estar trabalhando na atividade que eu amo”, declarou-se.

Veja o quadro Giro na Estrada desta sexta, 08, na íntegra:

VEJA TAMBÉM

Gestão da pecuária: “o que me trouxe até aqui não vai me levar adiante”

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Confira as fazendas em destaque do dia 05 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Fazenda tem economia milionária ao transformar esterco em adubo

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Rústico e produtivo com carne de qualidade, raça Nelore é “patrimônio nacional”

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Com operação especial de logística, pecuarista economiza 50% no custo do frete

08 novembro 2019
economia-50-porcentro-frete-viagem-tres-pernas

Antes de Intensificar a produção, intensifique a gestão, aconselhou recentemente em participação no Giro do Boi o consultor Antônio Chaker. E de fato está cada vez mais evidente o impacto positivo que a gestão empresarial traz para a pecuária de corte. Um destes bons exemplos foi destaque do quadro Giro na Estrada, exibido no programa desta sexta, dia 08, em entrevista com o pecuarista Júnior Sidoni, titular da Fazenda JS, localizada em Coxim, no Mato Grosso do Sul. O pecuarista contou como conseguiu uma economia de 50% de seu custo total com frete ao focar nas operações do transporte boiadeiro e no desenho de uma estratégia de logística customizada para as suas necessidades.

“Eu acredito que a logística hoje é fundamental para tudo, para baixar custo, porque a nossa atividade é bem apertada em relação à margem de lucro”, apontou o produtor. Sidoni explicou que possui propriedades próprias e arrendamentos tanto na serra quanto no Pantanal no MS, que estão basicamente distribuídas em uma linha de pouco mais de 100 km. “Então eu consigo fazer o manejo de criar e recriar no Pantanal e trazer o gado para fazer o acabamento aqui. Então eu sempre entro em contato com a empresa, uma semana, dez dias antes, para tentar equalizar a viagem para buscar o meu gado gordo e conseguir pegar gado magro de reposição que vem lá de baixo. Acredito que fique bom para a empresa e pra mim, que consigo minimizar meu custo de transporte no mínimo em 50%”, revelou.

Junior Sidoni afirmou que o planejamento é essencial para que a operação da “viagem de três pernas” funcione sem atrasos indesejáveis tanto para a fazenda quanto para a transportadora. “Vale lembrar que precisa ser tudo bem programadinho porque meu gado do Pantanal demora um dia para chegar no ponto de embarque e eu não posso falhar para não atrapalhar o embarque do gordo, que é prioridade. […] Eu faço isso já há três ou quatro anos com a JBS e graças a Deus os motoristas são 100% (pontuais), o pessoal é bem organizado e não teve nenhum problema de eles voltarem nem um dia com carreta vazia”, valorizou. “A gente fala que hoje a pecuária tem que ser tocada como uma empresa, então é tudo na programação”, destacou.

Junior Sidoni inclusive fez as contas de quanto a economia com frete por cabeça pode reduzir o custo da engorda dos animais. “Qualquer mexida que você faz hoje custa R$ 20 a R$ 30 por cabeça. Hoje um valor deste você paga um arredamento quase 40 dias de pasto para um animal, então se você economizar 50% disto, você tem 20 dias de pasto gratuito, concorda?”, calculou.

“Tem vantagens para ambos os lados. O pecuarista economiza frete, porque sempre a gente faz esse frete casado no gado magro com gado gordo. Dessa forma ele vai pagar uma perna, que é só do local do embarque ao desembarque e nós, como transportadora, a gente também otimiza a perna que iria vazia”, detalhou a analista de transporte da unidade de Campo Grande da JBS Transportadora, Fabiana Marchini.

Fabiana informou como os produtores interessantes em serviços similares podem acessá-los. “Ele pode entrar em contato com a unidade mais próxima da fazenda dele ou onde ele costuma abater e procurar o analista de transporte, ou o supervisor, e nós vamos fazer esta análise. Eu verifico a escala do gado gordo, o que tem na região para transportar, ou se é o próprio gado dele”, indicou a analista.

Além da vocação para os negócios, Júnior Sidoni mencionou outro fator determinante para os resultados positivos. “Eu acredito que 90% do êxito meu na profissão é o amor que eu tenho por ela. Eu acordo e durmo feliz por estar trabalhando na atividade que eu amo”, declarou-se.

Veja o quadro Giro na Estrada desta sexta, 08, na íntegra:

VEJA TAMBÉM

Descubra os seis pontos em comum entre as fazendas de pecuária de corte mais lucrativas do Brasil

Fazendas localizadas em Minas Gerais, Rondônia e Mato Grosso foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

No interior de SP, Agropastoril Paschoal Campanelli fertiliza lavouras de cana-de-açúcar, milho e pastagens usando dejetos do confinamento

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

Consultor adverte que produtividade de grande parte da pecuária praticada no Brasil cresceu baseada em aumento dos custos e aponta o caminho para produtor evitar o problema

Conforme novas tecnologias são incorporadas no campo, fazendas de gado de corte aumentaram a demanda por mão de obra especializada

Além do retorno financeiro específico da operação de engorda, produtor tem benefícios indiretos como possibilidade de aumentar rebanho e a taxa de lotação

Antônio Chaker apresenta qual etapa do ciclo de produção tem mais oportunidades para aumentar desfrute e renda e elenca números para pecuarista ficar atento

Com o desafio de otimizar o uso da terra, propriedade em Serra Nova Dourada-MT saiu da cria para a recria-engorda utilizando confinamento com grão inteiro

Giro do Boi vai abordar evolução da raça em programa especial às 20h do dia 09/12 pelo Canal Rural

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE