Calor e chuvas no RS ligam alerta de pecuaristas para carrapatos e verminoses

22 janeiro 2019
chuva-calor-verao-rio-grande-do-sul-2019

Nesta terça, 22, em entrevista ao Giro do Boi, o médico veterinário Gustavo Ilha, gestor de demanda da Boehringer Saúde Animal para a região da Campanha no Rio Grande do Sul, chamou atenção para a importância do controle de carrapatos e verminoses nesta época de calor e chuvas, uma configuração ideal para a reprodução dos parasitas.

“Esta alta umidade e o calor influenciam bastante tanto no carrapato, que nos assola bastante aqui no RS, quanto nas verminoses, então o pecuarista tem que estar atento a estes momentos em que o ambiente propicia um desenvolvimento das larvas, da eclosão de ovos. O mesmo ocorre com as verminoses. O ciclo é encurtado porque o ambiente é bastante propício”, explicou o veterinário.

O capim também se beneficia do calor e da umidade, que favorecem seu desenvolvimento, e a forrageira acaba virando mais um ambiente propício para os ectoparasitas, complementou Ilha.

“Nós trabalhamos sempre buscando o planejamento estratégico do programa sanitário prevendo estas alta incidências no verão, então trabalhando sempre no início do ciclo, na primavera, diminuindo a quantidade de carrapato nas pastagens, impedindo que caiam carrapatos na primavera e que estes carrapatos agora no verão não aumentem de volume e não ocorra uma alta infestação, assolando os animais. Por isso é muito importante o planejamento do programa sanitário”, indicou o veterinário.

Gustavo Ilha ainda explicou quais são os produtos recomendados para aplicações em horários diferentes do dia, detalhando quais moléculas são mais ativas quando utilizadas em picos de calor, por exemplo.

“E a verminose, não parece, mas ela causa mais prejuízo que o carrapato”, disse. Isto ocorre porque a maioria destas infecções são assintomáticas, portanto o pecuarista percebe o problema em poucos animais, enquanto os parasitas internos estão diminuindo a produtividade em até 90% do lote. O veterinário alertou que, nesta época do ano, assim como acontece com os carrapatos, 95% dos parasitas gastrointestinais estão presentes no ambiente, o que dificulta o controle sem um plano estratégico.

As recomendações completas estão no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Veja imagens do Dia de Campo da Fazenda Barra, em Cassilândia-MS

Propriedade é referência na terminação de animais cruzados, em que aproveita a valorização da arroba pelo Protocolo 1953

Confira as fazendas em destaque do dia 15 de julho de 2019

Fazendas localizadas em Goiás, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Com desembolso somente após abate, boitel em SP oferece 4 modelos de negócios a pecuaristas

Unidade no município de Castilho atende criadores com propriedades em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais

Aplicativo ajuda no cálculo do custo de produção e margem de ganho

Software foi desenvolvido no formato de planilha de Excel e lançado em 2017; pesquisador da Embrapa dá dicas de preenchimento correto dos dados para gerar resultados mais precisos

Calor e chuvas no RS ligam alerta de pecuaristas para carrapatos e verminoses

22 janeiro 2019
chuva-calor-verao-rio-grande-do-sul-2019

Nesta terça, 22, em entrevista ao Giro do Boi, o médico veterinário Gustavo Ilha, gestor de demanda da Boehringer Saúde Animal para a região da Campanha no Rio Grande do Sul, chamou atenção para a importância do controle de carrapatos e verminoses nesta época de calor e chuvas, uma configuração ideal para a reprodução dos parasitas.

“Esta alta umidade e o calor influenciam bastante tanto no carrapato, que nos assola bastante aqui no RS, quanto nas verminoses, então o pecuarista tem que estar atento a estes momentos em que o ambiente propicia um desenvolvimento das larvas, da eclosão de ovos. O mesmo ocorre com as verminoses. O ciclo é encurtado porque o ambiente é bastante propício”, explicou o veterinário.

O capim também se beneficia do calor e da umidade, que favorecem seu desenvolvimento, e a forrageira acaba virando mais um ambiente propício para os ectoparasitas, complementou Ilha.

“Nós trabalhamos sempre buscando o planejamento estratégico do programa sanitário prevendo estas alta incidências no verão, então trabalhando sempre no início do ciclo, na primavera, diminuindo a quantidade de carrapato nas pastagens, impedindo que caiam carrapatos na primavera e que estes carrapatos agora no verão não aumentem de volume e não ocorra uma alta infestação, assolando os animais. Por isso é muito importante o planejamento do programa sanitário”, indicou o veterinário.

Gustavo Ilha ainda explicou quais são os produtos recomendados para aplicações em horários diferentes do dia, detalhando quais moléculas são mais ativas quando utilizadas em picos de calor, por exemplo.

“E a verminose, não parece, mas ela causa mais prejuízo que o carrapato”, disse. Isto ocorre porque a maioria destas infecções são assintomáticas, portanto o pecuarista percebe o problema em poucos animais, enquanto os parasitas internos estão diminuindo a produtividade em até 90% do lote. O veterinário alertou que, nesta época do ano, assim como acontece com os carrapatos, 95% dos parasitas gastrointestinais estão presentes no ambiente, o que dificulta o controle sem um plano estratégico.

As recomendações completas estão no vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Propriedade é referência na terminação de animais cruzados, em que aproveita a valorização da arroba pelo Protocolo 1953

Fazendas localizadas em Goiás, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Unidade no município de Castilho atende criadores com propriedades em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais

Software foi desenvolvido no formato de planilha de Excel e lançado em 2017; pesquisador da Embrapa dá dicas de preenchimento correto dos dados para gerar resultados mais precisos

Frente fria vai embora e temperatura deve subir em estados do Centro-Oeste, Norte e Sudeste do Brasil, com máximas que podem chegar aos 35º C

Animais abatidos no Protocolo 1953 foram enviados por fazenda localizada no município de Cáceres, estado do Mato Grosso

Software foi desenvolvido no formato de planilha de Excel e lançado em 2017; pesquisador da Embrapa dá dicas de preenchimento correto dos dados para gerar resultados mais precisos

Propriedade é referência na terminação de animais cruzados, em que aproveita a valorização da arroba pelo Protocolo 1953

Gerente do Rabobank Brasil aponta as duas primeiras medidas para o produtor transformar sua fazenda em uma empresa rural

Fazendas localizadas em Goiás, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE