Veterinário dá dicas para controlar e evitar a resistência do carrapato

06 dezembro 2017
resistencia-do-carrapato-dicas-controle

Você sabia que enxerga apenas 5% da população de carrapatos presente na sua fazenda? Isto acontece porque os outros 95% de todos os parasitas estão espalhados pelo pasto. Para ajudar o pecuarista que tem problema com a praga, o Giro do Boi levou ao ar nesta quarta, 06, uma entrevista com o médico veterinário e gestor de demandas de sanidade e reprodução da Boehringer Saúde Animal Gustavo Ilha. Ele repassou recomendações técnicas para o controle do carrapato e ainda dicas para evitar a resistência aos produtos disponíveis no mercado.

Leia também
+ Carrapato: saiba quais cuidados podem evitar prejuízos na carne e no leite

O carrapato representa um dos maiores problemas atuais do pecuarista do Rio Grande do Sul, pois na região a incidência forte de chuvas e as temperaturas altas, clima típico do verão, formam um ambiente propício à sua proliferação.

Além disso, as temperaturas acima da média no inverno não estão sendo baixas o suficiente para quebrar o seu ciclo, aumentando a sua infestação. O problema é agravado ainda pelas principais raças bovinas presentes nos campos do RS, pois animais Angus e Hereford, por exemplo, têm menos resistência ao parasita. “Antigamente tínhamos três a quatro ciclos do carrapato por ano. Hoje ele não para mais no inverno e as infestações aumentam por conta de vários fatores”, afirmou Ilha.

Um destes fatores é o transporte de animais adquiridos, por exemplo, em leilões. Como explica o veterinário, o carrapato tem alta capacidade de se ambientar e criar resistência ao meio em que está inserido. “A gente comenta muito a questão da compra porque há muito trânsito de animais no Rio Grande do Sul e a única forma de transportar carrapatos resistentes de uma propriedade para outra é através da compra. Por isso é importante ter um protocolo de entrada para prevenir a introdução dessas cepas resistentes”, recomendou Gustavo.

Outra indicação do especialista é o uso de um rodízio de moléculas que fazem o controle do carrapato. Por sua capacidade de resistência aos princípios ativos disponíveis, este é um desafio que é maior a cada ano. “Se o proprietário da fazenda ou o gestor não tem conhecimento dos princípios ativos ou armas para o combate ou não utilizar da maneira adequada, com rodízio de moléculas, o período de carência e as épocas de utilização, ele não vai conseguir ter controle adequado”, informou.

Por isso é essencial, segundo o veterinário, consultar um profissional capacitado para formulação de um calendário sanitário para a sua fazenda. “Muitos pecuaristas decidem o produto a ser utilizado quando chegam no balcão da loja agropecuária. Isso é um problema porque quem vai vender não sabe o histórico da propriedade, dos princípios ativos que já foram usados, os desafios. Não é planejado e essa falta de planejamento pode levar à resistência”, alertou.

Veja a entrevista completa e todas as recomendações pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Como escolher o melhor ionóforo para suplementar meu gado?

Telespectador de Teixeira de Freitas-BA enviou dúvida sobre a escolha do melhor tipo do aditivo para gado que está estritamente em dieta de pasto

Produtor indica como eliminar plantas daninhas no consórcio do pasto com Teca

Preocupação era usar produtos que pudessem prejudicar o desenvolvimento da espécie florestal, mas nova geração de defensivos solucionou o problema

Confira as fazendas em destaque do dia 11 de dezembro de 2019

Fazendas localizadas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

A próxima fronteira para o Nelore

Melhoramento genético do Nelore começa a colocar a raça em evidência no mercado da carne de qualidade e pode impulsionar pecuária brasileira

Veterinário dá dicas para controlar e evitar a resistência do carrapato

06 dezembro 2017
resistencia-do-carrapato-dicas-controle

Você sabia que enxerga apenas 5% da população de carrapatos presente na sua fazenda? Isto acontece porque os outros 95% de todos os parasitas estão espalhados pelo pasto. Para ajudar o pecuarista que tem problema com a praga, o Giro do Boi levou ao ar nesta quarta, 06, uma entrevista com o médico veterinário e gestor de demandas de sanidade e reprodução da Boehringer Saúde Animal Gustavo Ilha. Ele repassou recomendações técnicas para o controle do carrapato e ainda dicas para evitar a resistência aos produtos disponíveis no mercado.

Leia também
+ Carrapato: saiba quais cuidados podem evitar prejuízos na carne e no leite

O carrapato representa um dos maiores problemas atuais do pecuarista do Rio Grande do Sul, pois na região a incidência forte de chuvas e as temperaturas altas, clima típico do verão, formam um ambiente propício à sua proliferação.

Além disso, as temperaturas acima da média no inverno não estão sendo baixas o suficiente para quebrar o seu ciclo, aumentando a sua infestação. O problema é agravado ainda pelas principais raças bovinas presentes nos campos do RS, pois animais Angus e Hereford, por exemplo, têm menos resistência ao parasita. “Antigamente tínhamos três a quatro ciclos do carrapato por ano. Hoje ele não para mais no inverno e as infestações aumentam por conta de vários fatores”, afirmou Ilha.

Um destes fatores é o transporte de animais adquiridos, por exemplo, em leilões. Como explica o veterinário, o carrapato tem alta capacidade de se ambientar e criar resistência ao meio em que está inserido. “A gente comenta muito a questão da compra porque há muito trânsito de animais no Rio Grande do Sul e a única forma de transportar carrapatos resistentes de uma propriedade para outra é através da compra. Por isso é importante ter um protocolo de entrada para prevenir a introdução dessas cepas resistentes”, recomendou Gustavo.

Outra indicação do especialista é o uso de um rodízio de moléculas que fazem o controle do carrapato. Por sua capacidade de resistência aos princípios ativos disponíveis, este é um desafio que é maior a cada ano. “Se o proprietário da fazenda ou o gestor não tem conhecimento dos princípios ativos ou armas para o combate ou não utilizar da maneira adequada, com rodízio de moléculas, o período de carência e as épocas de utilização, ele não vai conseguir ter controle adequado”, informou.

Por isso é essencial, segundo o veterinário, consultar um profissional capacitado para formulação de um calendário sanitário para a sua fazenda. “Muitos pecuaristas decidem o produto a ser utilizado quando chegam no balcão da loja agropecuária. Isso é um problema porque quem vai vender não sabe o histórico da propriedade, dos princípios ativos que já foram usados, os desafios. Não é planejado e essa falta de planejamento pode levar à resistência”, alertou.

Veja a entrevista completa e todas as recomendações pelo vídeo abaixo:

VEJA TAMBÉM

Telespectador de Teixeira de Freitas-BA enviou dúvida sobre a escolha do melhor tipo do aditivo para gado que está estritamente em dieta de pasto

Preocupação era usar produtos que pudessem prejudicar o desenvolvimento da espécie florestal, mas nova geração de defensivos solucionou o problema

Fazendas localizadas em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram destaques do quadro Giro pelo Brasil; confira os lotes e Farol da Qualidade.

Melhoramento genético do Nelore começa a colocar a raça em evidência no mercado da carne de qualidade e pode impulsionar pecuária brasileira

Circuito Nelore apontou que, ao mesmo tempo que a idade média de abate foi reduzida, peso médio das carcaças saiu de 17@ em 1999 para 21@ neste ano

Especialista aponta características que estão sendo perseguidas pelos programas de seleção genética e quais as novidades na busca pelo reprodutor moderno

Preocupação era usar produtos que pudessem prejudicar o desenvolvimento da espécie florestal, mas nova geração de defensivos solucionou o problema

Melhoramento genético do Nelore começa a colocar a raça em evidência no mercado da carne de qualidade e pode impulsionar pecuária brasileira

Com transformação de MP em lei federal, produtor tem novo prazo e novas normas para informar intenção de aderir ao PRA

Circuito Nelore apontou que, ao mesmo tempo que a idade média de abate foi reduzida, peso médio das carcaças saiu de 17@ em 1999 para 21@ neste ano

DIREITO AGRÁRIO

Participe do Giro do Boi

NEWSLETTER

Receba as notícias do Giro do Boi gratuitamente em seu e-mail

CADASTRE-SE